“O teu filho é vegetariano? Mas nunca lhe deste carne? nem peixe?? Coitadinho…”

Esta é a frase que eu ouço countless times desde que o Congo começou a comer comida de pessoas. Ora bem…17 meses menos 6 meses dá 11 meses. Portanto há 11 meses que esta tem sido uma pergunta recorrente na minha vida. 98% das vezes ignoro os julgamentos e as piadolas mas restam ali uns 2%, que geralmente vem cá para fora em tom de cão de fila pronto a atacar a próxima perna quando questionam a alimentação do ser que eu mais amo no mundo como se eu não quisesse o melhor para ele.

O Congo é ovo-lacto-vegetariano. Por ele ovo também não passava mas os progenitores vão lhe dando a volta triturando em sopas e afins para ele não sentir a textura. Também come iogurtes naturais, de preferência bios e de cabra, mas também não somos fundamentalistas e se tivermos em Alcafores-de-Cima e se na mercearia do Sr Joaquim só houver Longa Vida, Longa Vida será. Agora, com o açúcar é que somos mesmo chatos, mas esse tema há de vir num post futuro.

O Francis é vegetariano. Começou por sê-lo na adolescência durante largos anos pela parte ética e moral, depois parou uma temporada e há 3 anos voltou a adoptar este tipo de dieta. Cá em casa a regra é: Veggie all the way, Everyday! E temos sempre a casa cheia de amigos que felizmente também já viraram super fans dos nossos classic Lebanese Dinners ou das nossas pastas Raw! Eu ainda consumo alguns produtos de origem animal, não sei sei algum dia os cortarei por completo da minha dieta mas faço um caminho diário para os reduzir ainda mais.

Agora o que me incomoda mesmo no meio disto é o constante julgamento. Estamos fartos (se não estamos, devíamos) de saber dos malefícios de uma má alimentação, desde pequenos que nos obrigam a comer frutas e legumes por alguma razão e cada vez mais vamos tomando consciência de que uma alimentação saudável e a prática regular de exercício fisico são essenciais para vivermos bem e sem doenças. Mas mesmo assim continuamos a consumir kilos de coisas desnecessárias e continuamos a achar normal as doenças deste século e que um antibiótico cura tudo. E isto sem falar na parte ética e moral, sem mencionar muito a fundo a maldade que nós, seres humanos pensantes, fazemos aos animais para nosso próprio proveito e prazer e fora a forma em como esta indústria está a massacrar o nosso único planeta. É tão mais fácil ignorar todos estes factos e pensar que a nossa vida aqui é tão curta…por isso deixemo-nos lá de dramas e vamos mas é comer mais um bife da vazia. Para quem ainda não sabe deixo-vos alguns factos com o quais nos devemos questionar para fazermos melhores escolhas alimentares:

– Mais de 50 biliões de animais são mortos anualmente para consumo humano

-São necessários cerca de 15.000 litros de água para produzir 1kg de carne bovina

51% das emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa são causadas pela pecuária e atividades relacionadas

-Estudos científicos provaram repetidamente que uma dieta vegetariana aumenta o metabolismo ajudando o corpo a queimar gordura e calorias até dezasseis vezes mais rápido do que com uma dieta baseada em carne.

Outras fontes (mais fáceis que cozinhar carne) para obter proteína: Sementes de Canhâmo, Sementes de Girassol, Oleaginosas, Sementes de Moringa, Leguminosas…

-E por último, uma dieta vegetariana ajuda a prevenir doenças cardiovasculares (causa de morte nr 1 mundial) e o aparecimento de vários tipos de cancro

Estes factos já deveriam ser suficientes para repensarmos e tentarmos mudar, nem que seja devagarinho. A maneira mais fácil é começar por fazer um dia por semana sem carne durante algum tempo, e depois passar a dois…e assim sucessivamente.

Existem muitos documentários sobre o tema que valem muito a pena ver, deixo-vos um dos mais famosos: “Cowspiracy”, que alerta sobre como esta industria está a acabar com o planeta, e o segundo (mais pesado para pessoas mais sensíveis, mas que não deixa de ser obrigatóro) “Earthlings”: um documentário que retrata a violência da indústria alimentar. A maioria das pessoas não tem coragem de o ver até ao fim, mas na hora de escolher as refeições a imagem brutal de maus tratos já ficou para trás. Para quem tiver interesse aqui ficam os links dos trailers:

 

O verdadeiro amor pelos filhos, passa por nós pais, garantirmos que mesmo após o nosso desaparecimento eles ainda possam usufruir do que a natureza têm para nos dar enquanto humanidade. Para isso é urgente perceber que o acto de cuidar é diário, não nos podemos encostar constantemente à ideia de que sozinhos não conseguimos ou não sabemos fazer nada. Yes we can!

“That’s one small step for a man, one giant leap for mankind.” –  Neil Armstrong

By Noki

Comments (2)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *